ABOUT TO REACH

Langue

Comunicação Visual, Escrita e Experiência do Usuário

Para proporcionar uma boa experiência do usuário é necessário utilizar dois conceitos: a Comunicação escrita e a Comunicação visual. Mas como cada um desses conceitos podem melhorar os resultados do seu site, da sua empresa ou do seu software?

Descubra agora lendo este post do blog! 

E, ao chegar no final desse artigo, saiba exatamente como a Langue une esses dois conceitos para proporcionar resultados efetivos nas plataformas de nossos clientes.

Comunicação Visual

De acordo com Darren Bridger, autor do livro de sucesso Neuromarketing, as imagens têm um alto nível de processamento e são absorvidas mais facilmente pelo cérebro do que textos.

Seguindo os princípios do Neurodesign, Bridger diz que:

O Neurodesign é a aplicação de insights da neurociência e da área da psicologia para a criação de designs mais eficazes.

 

Porém, a sua abordagem vai além de propor designs bonitos e imagens atraentes.

De acordo com um compilado de estudos e experimentos científicos em laboratórios, o autor expõe que existe um motivo para acharmos que um site, plataforma ou imagem é considerado bonito ou não. 

Achar um design atraente, não é um gosto tão pessoal quanto achamos que é. 

Existem padrões gerais que ajudam a influenciar nossa opinião sobre um determinado objeto, site ou pessoa. E isso tudo é possível devido à maneira como nosso cérebro processa algumas informações. 

Os 5 princípios do Neurodesign

Bridger introduz uma série de parâmetros que ajudam a compreender como nosso cérebro funciona e como podemos aproveitar esse conhecimento para melhorar os resultados de nossos produtos digitais como sites, softwares e plataformas online. Os princípios são:

Fluência de Processamento

Tenho certeza que você já deve ter ouvido falar em minimalismo, não é mesmo?

Minimalismo é a ideia de expressar o máximo de conteúdo possível com muita pouca informação visual. 

E não é por acaso que essa tendência está crescendo entre as empresas. 

O cérebro humano decodifica rapidamente as imagens mais simples e compreensíveis. Designs muito complexos e com muitas informações tendem a causar uma avaliação negativa para aqueles que veem. 

E isso tem uma explicação: quanto mais elementos como textos, imagens e gráficos tiver o seu site, por exemplo, mais esforço o seu usuário terá de fazer para compreender o que você está tentando transmitir.

E quanto mais difícil for decodificar o seu site, maiores são as chances de confusão e perda de interesse que o usuário terá sobre o seu negócio.

Primeiras Impressões

O cérebro humano faz julgamentos intuitivos rápidos quando vemos algo pela primeira vez. O sentimento geral influencia a forma como reagiremos ao site. 

De acordo com Darren: 

As pessoas chegam à conclusão de gostar ou não de uma página da internet em 0,05 segundos depois de olhá-las pela primeira vez. 

 

Isso significa que:

  • As pessoas rejeitam rapidamente um site que não consideram atraentes;
  • Mesmo que a página tenha baixa usabilidade, os usuários ainda gostarão dela se acharem-na atraente e que;
  • Este pré-julgamento é realizado principalmente devido a fatores visuais, já que em tão curto período de tempo é impossível processar um conteúdo. 

Sendo assim, é importante dedicar atenção prioritária aos primeiros itens que aparecem na sua plataforma. 

Pois a não ser que o usuário esteja muito determinado a comprar com você (devido a indicações e outros recursos de autoridade de marca), ele perderá o interesse e visitará a página do seu concorrente. 

Destaque Visual

Toda vez que visualizamos alguma coisa, nosso cérebro tende a focar em itens e elementos que chamam mais a nossa atenção. Nossos olhos priorizam o que se movimenta ou que se destaca no contexto. Os itens com mais destaque visual são vistos primeiro, com mais frequência e durante mais tempo. 

Pensando nisso, existem 3 características dentro de um design que podem fixar a atenção e o interesse do usuário:

  • Cor: Assim como o brilho e o contraste de uma imagem com o seu fundo;
  • Padrões: Como o posicionamento de elementos em um mesmo parâmetro;
  • Tamanho: Como fontes e imagens grandes, comparadas com outros itens que estão dispostos em uma escala menor.

Por isso, utilizando estes e outros recursos apresentados por Darren, é recomendável orientar a atenção dos usuários para os elementos de alta prioridade de visualização e evitar que os elementos de baixa prioridade não atraiam demais a atenção dos usuários. 

Esse tipo de técnica deve ser utilizada para que o visitante do site ou plataforma não se sinta perdido com muitas informações e não saiba para onde deve concentrar sua atenção. 

Pois quando isso ocorre, o usuário se sente confuso e desenvolve uma visão negativa sobre o seu produto digital. 

Indutores emocionais não conscientes

Bridger evoca o conceito de transferência de sensação:

Impressões positivas iniciais provocadas por um bom design leva a pessoa a sentir que o produto ou serviço é positivo sob todos os aspectos. 

Sendo assim, muitas das vezes o fato de alguém decidir comprar com um determinado produto é muito influenciado pelo o quanto ele é atraente visualmente. Ou seja, nem sempre a escolha dos consumidores será de fato consciente. 

Os estímulos sociais podem enviesar nossas decisões sem que estejamos de fato consciente, por isso é importante criar uma reação instintiva positiva sobre o seu site, plataforma ou software. 

Essas deliberações “irracionais” estão alinhadas com os atalhos mentais que muitas das vezes utilizamos para tomar uma decisão usando como método a maneira como se sentem.

Esse conceito se aplica também aos tão famosos gatilhos mentais de que temos ouvido falar com frequência. 

Por isso, é importante estudar e conhecer a sua Persona. Ao saber quais são as preferências de palavras, cores, elementos que chamam a sua atenção você é capaz de criar uma boa primeira impressão para seu consumidor. 

Então se quiser saber mais sobre como estruturar a sua Persona e quais são os benefícios dessa poderosa ferramenta para aumentar os seus resultados clique aqui.

Economia Comportamental

A economia comportamental está muito relacionada com o conceito de atalhos mentais mencionado no tópico anterior.

Quanto mais atraente e mais fácil for compreender um página na web e, ao saber utilizar os recursos corretos que chamem a atenção do seu usuário, mais atalhos você conseguirá realizar a fim de que o seu visitante tome uma decisão mais facilmente. 

Muitas vezes, a chave da mudança de comportamento consiste em simplesmente remover barreiras que possam impedir com que o usuário de fato tome a decisão. As 3 principais barreiras são: 

  1. Risco: Somos muito sensíveis ao risco e por mais que queiramos alguma coisa, podemos dispensá-la dependendo do risco;
  2. Incerteza: Mesmo que mínimo, o grau de incerteza associada a uma compra pode ser um obstáculo intransponível;
  3. Dificuldade: As pessoas geralmente se esquecem de tarefas que parecem exigir muito esforço mental.

Pensando nesses três itens básicos, é importante então considerar não só a comunicação visual para facilitar a tomada de decisão bem como criar estratégias comunicacionais para que se possa oferecer uma boa Experiência do Usuário.

Comunicação Escrita

Apesar de muito importante, não é só de designs bem estruturados que os sites são compostos. 

A Comunicação escrita é o grande mediador para a compreensão dos seus produtos, serviços e valores da marca. 

No entanto, é grande desafio tornar a comunicação efetiva quando falamos de textos em sites, softwares e plataformas online. Isso porque a leitura é mais difícil de ser realizada em telas. 

Por isso, Barren diz que é preciso

Transmitir tanta informação quanto possível da maneira mais intuitiva e fácil possível. 

 

A comunicação escrita deve estar alinhada com a Persona e Tom de Voz que a sua empresa quer transmitir, por isso é necessário realizar toda uma pesquisa e planejamento estratégico para alinhar os objetivos da marca.

Se quiser saber mais sobre esse assunto, leia nosso artigo Identidade Corporativa: Tom, Voz e Linguagem 

E se tiver interesse em estabelecer uma comunicação estratégica leia 5 passos simples para conversar com clientes. 

Comunicação Visual e UX (Experiência do Usuário)

Conversamos sobre design e sobre escrita, mas o que esses dois conceitos têm em comum? 

A resposta é simples: Proporcionar uma boa experiência para o usuário.

O UX (User Experience) é uma método centrado na empatia que a empresa deve ter com os seus consumidores. Não adianta apresentar um serviço ou produto que agrada simplesmente à empresa e seus funcionários, pois não são eles que irão comprar os produtos da empresa e sim os clientes da marca.

 E, como vimos anteriormente, o produto precisa ser:

  • Atrativo; 
  • Solucionar de fato a dor do cliente;
  • Falar a mesma língua que o seu consumidor. 

Por isso, com base no UX, todas as atividades e ferramentas são aplicadas pensando em como o usuário irá interagir com este produto ou serviço. 

E o UX Writing enfoca na Experiência do Usuário incluindo a escrita como um parte importante do processo. 

Legibilidade Textual

Além da comunicação visual, a legibilidade textual é um dos pontos principais para criar um produto digital de sucesso. 

Para facilitar a leitura e compreensão do site, plataforma ou software da empresa, a Langue considera alguns parâmetros:

  • A extensão dos períodos: quanto mais longos, mais difícil será a leitura;
  • Número de sílabas: quanto mais extensas são as palavras, menos fluente será a leitura;
  • Divisão do texto: Parágrafos curtos e bem espaçados para facilitar a leitura;
  • Estruturas sintáticas, semânticas e discursivas: a partir da definição do Tom e Voz, é possível saber como e quando enfatizar cada uma das palavras e frases do texto;
  • Diagramação textual: se o texto deve estar alinhado à esquerda, direita ou centralizado e como este se relaciona com os elementos visuais que compõe a página ou plataforma;
  • Recursos tipográficos: Negrito, sublinhado, itálico, tamanho da fonte, tipo de fonte e emojis são alguns dos recursos necessários a serem utilizados para enfatizar palavras-chave assim como evocar sentimentos e gatilhos mentais para a tomada de decisão.  

A partir desses parâmetros, a Langue inicia o processo de Adequação Comunicacional e, muitas das vezes, o serviço de Tradução Cultural, para que seja possível proporcionar uma comunicação escrita e visual efetiva para os usuários.

Quer saber mais sobre os nossos processos e como melhorar o seu website, software ou plataforma digital?

Leave Your Comment